Entendendo seu Perfume: Notas e Famílias Olfativas – Parte 1 - Blog Aromahelp

Entendendo seu Perfume: Notas e Famílias Olfativas – Parte 1

Entendendo seu perfume: notas e famílias olfativas – parte 1

Você que curte perfumes já deve ter reparado na diversidade existente no que diz respeito à nomenclatura das fragrâncias, não é verdade? Isso existe pois se relaciona com a questão das notas olfativas, as famílias olfativas e também com a concentração destes elementos no perfume.

Ficou confusa? Não se preocupe. Nós aqui do blog da SM Perfumes iremos iniciar por meio deste post, uma série de artigos para esclarecer todas estas questões e ampliar o seu conhecimento acerca dos perfumes e usufruir de seus benefícios!

Os óleos essenciais

O primeiro passo para compreendermos toda esta questão de nomes é nos debruçarmos mais atentamente aos óleos essenciais presentes na composição dos perfumes. Eles também são conhecidos como “absoluto” ou “essência” e geralmente são extraídos de elementos da natureza, muito embora também possam ser de origem sintética. Ao serem misturados com água e álcool, os óleos essenciais se transformam em perfume.

As notas olfativas

familias_olfativas

As notas olfativas se dividem em 3 etapas, que significam exatamente a ordem pela qual elas se evaporam. Sendo assim, as notas olfativas se classificam em notas de saída (cabeça), notas de coração (corpo) e notas de fundo (base).

  • Notas de saída: as primeiras a se sentir, são mais voláteis e passa a primeira impressão do perfume. São fugazes na pele, durando poucos minutos, sendo que possuem características como leveza e frescor. São cítricas (por exemplo, mandarina, laranja e limão) e herbais (como erva doce, menta e alecrim, entre outras).
  • Notas de coração: conferem a personalidade do perfume e a evaporação é mais lenta. É como se fosse o corpo da fragrância e são notadas quando o perfume começa a ser absorvido pela pele. Comumente, faz parte deste grupo de notas, as flores, como gerânio, jasmim, rosa, e também frutas que não sejam cítricas, caso por exemplo do pêssego ou framboesa.
  • Notas de fundo: são as últimas a evaporarem, de fixação intensa e muito menos voláteis. Promovem o calor e o peso do perfume. São obtidas de várias fontes, entre elas da madeira (como o pinho e cedro), especiarias (noz-moscada, gengibre), animais (de maneira sintética como musk), resinas (como os incensos), alimentos (café, caramelo, canela, baunilha), variando entre adocicadas e não adocicadas.

Ainda está complicado? Ao menos, já deu pra notar o que quer dizer quando lemos em alguma resenha sobre nossos perfumes importados preferidos, algo como “coração de flor de cerejeira”, ou ainda “fundo de baunilha” entre outras sentenças, não é mesmo? Porém, com a descrição e definição de família olfativa, ficará muito mais fácil compreendermos as nomenclaturas no geral. Mas isso é tema para nosso próximo post, ok?

Gosta de perfumes? Acesse nosso blog, compartilhe esta postagem com seus amigos e não deixe de conferir nosso próximo artigo desta série. Até a próxima amigos e amigas!

Compartilhe:

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp

Uma resposta

  1. Estou facinado com essa matéria , estava pensando em fazer perfume pra uso em família. Com essa, vou fazer pra aumentar minha renda . Vocês estão de parabéns com essa iniciativa , que possa classificar como utilidade pública. Sei que ajuda muita gente a desenvolver seu próprio negócio com perfume sem muito investimento. Parabéns mesmo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Óleo Vegetal de Açaí

Benefícios para a manutenção do equilíbrio da pele e dos cabelos é tudo de bom, né?! Então você precisa conhecer o Óleo Vegetal de Açaí!

Aromaterapia para adolescentes

As terapias alternativas fazem bem à saúde independentemente da idade, por isso hoje vamos falar um pouco sobre a aromaterapia para adolescentes.  A Aromaterapia é

Óleo essencial de Olíbano

O óleo essencial de olíbano, também chamado de óleo essencial de incenso, é extraído da resina de árvores do gênero Boswellia. O uso deste óleo remonta a